Os plásticos são produtos que podem melhorar a vida de crianças que perderam as mãos. O fato das próteses disponíveis no mercado não acompanharem o crescimento dos usuários, faz com que elas tenham que ser trocadas de tempos em tempos, o que gera custos.

A Comissão Extraordinária Permanente de Meio Ambiente discutiu nesta terça-feira (18/10) os efeitos provocados pelo uso de Bisfenol A (BPA), uma substância química utilizada principalmente na fabricação de determinados tipos de plásticos e no revestimento de latas em geral.

Há quatro anos, a entidade firmou um convênio com o Instituto Oceanográfico da USP para entender a questão dos resíduos nos mares e, a partir daí, iniciar a mobilização para articular ações de prevenção e educação ambiental.

O 2º Congresso Brasileiro do Plástico, uma das principais iniciativas do segmento para América Latina, será o ponto de encontro para profissionais e especialistas da cadeia produtiva dos plásticos nos dias 5 e 6 de outubro.

A Plastivida, entidade que representa no Brasil o setor plástico nas questões relativas à sustentabilidade, acompanha com preocupação o decreto do governo francês que proíbe a venda de copos, pratos e bandejas plásticas de “uso único” para consumo particular a partir de 2020.

Uma das matérias-primas mais estudadas no mundo, o plástico, gera eficiência energética, economia, alta performance e sustentabilidade em diversos tipos de aplicação.

Palestras sobre os plásticos na vida das pessoas, seu uso responsável, descarte correto, assim como oficina de reciclagem e exposição de produtos reciclados serão algumas das atividades que a entidade realizará em São Paulo.

Para a corriqueira pergunta “vai querer sacolinha?” – feita pelas operadoras de caixa dos supermercados em São Paulo – a resposta dos consumidores é quase “sim”. De acordo com pesquisa feita pela Plastivida (entidade do setor), metade dos paulistanos que fazem compras em mercados dizem pagar sempre por sacolas plásticas.